Marketing Político x Marketing Eleitoral

Muitos autores tratam o marketing político de forma superficial e pouco prática, com olhos acadêmicos que, na maioria das vezes, não retratam exatamente a rotina de quem trabalha com isso. Que tal uma definição mais direta?

Se formos trabalhar com objetividade, podemos dizer que é o marketing político quem permite a convergência entre os anseios populares e a atuação do mandatário. Em miúdos, é aquilo que nos ajuda a juntar a fome com a vontade de comer.

A dificuldade em compreender completamente o conceito vem de uma confusão com o conceito de marketing eleitoral, que apesar de ser uma história com os mesmos personagens, tem uma trama bem diferente.

Qual é a diferença entre marketing político e marketing eleitoral?

Sabemos que o marketing político é o conjunto de técnicas que trabalham a comunicação do mandatário, preocupando-se, inclusive, com a continuidade das mensagens visando a construção de reputação. Já o marketing eleitoral, como o próprio nome já diz, está diretamente relacionado ao momento do pleito ou seja, ele engloba as estratégias e ações que são realizadas para eleger um ator político.

Agora que separamos as “caixinhas”, que tal alguns exemplos para pacificarmos de vez a questão:

 

Imagem do plenário da Câmara dos Deputados para exemplificar o marketing político.

Os deputados , assim que empossados, deixam de lado o discurso eleitoreiro e voltam suas ações de comunicação para a construção de seus marcos de mandato, aquilo que irá solidificar sua imagem política junto à sua base. Isso é marketing político.

 

Imagem de uma urna eletrônica para comparação entre marketing político e marketing eleitoral.

 

 

Candidatos, quando saem em busca de votos, divulgando propostas e histórico de feitos, traçando estratégias junto à sua militância para garantir um resultado favorável nas urnas estão executando ações de marketing eleitoral

 

Para muita gente é difícil “virar a chave” do eleitoral para o político e a melhor maneira de separar estes dois mundos é criando planejamentos específicos para cada fase. E para isso é preciso que você combine dois fatores: estudo e prática.

No caso dos estudos, o Guia do Marketing Político pode ser um bom aliado para quem precisa aprender a se planejar. É um clube de assinatura com conteúdos focados no marketing e comunicação política, que assim como o Netflix, você tem acesso a diversos conteúdos enquanto sua assinatura estiver ativa. Legal né? 

Agora que você já aprendeu o que é marketing político e que ele não é a mesma coisa do marketing eleitoral, veja esse material do professor Marcelo Vitorino sobre as 10 coisas que todo eleito deve saber

 

 

Avatar

Fernanda Camargos

Flipboard

Publicitária especializada em Marketing pela USP, atuou na gestão da comunicação digital de mais de 10 clientes dos mais diversos cargos eletivos. Atualmente trabalha com foco na área de análise de dados, construção de reputação digital e relacionamento com o eleitor.

leia mais

Mais artigos do autor:

foto do autor Felipe Tonet durante uma campanha política para ilustrar seu trabalho com crowdfunding em campanhas eleitorais Leia mais

30 de setembro de 2019

Avatar

A coluna "Por dentro do Marketing Político Hoje" entrevistou Felipe Tonet, que falou sobre a importância do crowdfunding para as eleições de 2020. Confira!

Imagem com ícones representando elementos referentes a comunicação e dinheiro. Leia mais

27 de agosto de 2018

Avatar

Aprenda de uma vez por todas a diferença entre marketing político e marketing eleitoral. Conheça o blog Marketing Político Hoje e saiba tudo sobre o tema.

Artigos Relacionados:

Logos da rede social LinkedIn Leia mais

23 de setembro de 2019

Avatar

A comunicação política no LinkedIn ainda é pouco explorada no Brasil. A rede pode ser uma ótima ferramenta para políticos e administrações públicas.

Leia mais

18 de setembro de 2019

Tainã Gomes de Matos

Conteúdos políticos, inclusive as emendas parlamentares, precisam de "traduções" para garantir que a mensagem faça sentido para o eleitor. Saiba mais!