Identidade visual para campanha eleitoral: o que você deve saber

Você já percebeu que, em ano eleitoral, os candidatos usam e abusam das cores em suas campanhas? Para que não lhe falte à memória, em 2018, vimos tanto verde e amarelo entre apoiadores do Bolsonaro quanto em torcida do Brasil em copa do mundo. Na disputa eleitoral que teve Haddad, o candidato petista, também não faltou vermelho e branco. Há quem goste, há quem acha exagerado. Do ponto de vista do marketing político, a identidade visual para campanha eleitoral não é feita para ser bonita; seu principal objetivo é ajudar na construção de imagem e criar uma “identificação” entre apoiadores de um mesmo candidato ou de uma mesma ideia.

Identidade visual na campanha eleitoral é algo relativo

Na política, o mais bonito nem sempre é o eficaz. Um bom exemplo disso, na prática, é a campanha de Arthur Henrique, do MDB, para prefeito de Boa Vista, em 2020, pensada pelo estrategista Marcelo Vitorino. Uma campanha desenhada nas cores verde e roxo, à la buzz lightyear, com muito contraste e diagramação simples, mas que mobilizou a maioria do eleitorado para o voto nas urnas.

 

“A escolha da tipologia e da cartela de cores da campanha teve relação com a imagem que queríamos projetar e com os públicos alvo da comunicação. Boa Vista era uma cidade cinza, que com as últimas gestões, se tornou colorida. E essa alegria e contraste precisava estar em todas as peças.” (Marcelo Vitorino)

É claro que uma eleição não se deve apenas à identidade visual, mas, sim, ao contexto e a cada uma das estratégias adotadas na campanha. Ainda assim, depois da vitória com 85,36% dos votos, em Boa Vista, fica o questionamento: uma paleta de cores simétrica, a fonte mais bonita, uma tipologia limpa e o encaixe perfeito dos elementos é a única forma eficaz de trabalhar identidade visual em campanhas eleitorais? Em Boa Vista, não.

Isso revela que o mais importante, em qualquer campanha, é alinhar as estratégias às expectativas do eleitor. Uma estratégia de identidade visual feita com dados e conhecimento do contexto aponta para a importância máxima da conexão com o eleitorado e, não, para a opinião técnica do diretor de arte, da família do candidato ou de um amigo, cuja preferência é mais elitizada, por exemplo.

Já vi muitos candidatos com boas propostas e chances de eleição não vencerem porque a identidade visual era requintada demais e não dialogava com o eleitor simples. O contrário também ocorre.

Identidade visual em campanha eleitoral deve ser livre de preconceitos

Como já disse, identidade visual não é para criar uma arte bonitinha. Um bom estrategista precisa abandonar os preconceitos e não pensar que somente a sua opinião está correta.

Diferente do que muitos profissionais munidos de suas visões cheias de vaidades podem considerar, a identidade visual de Arthur, em Boa Vista, dá gosto de ver, pois reflete estratégia e dialoga com o seu eleitorado. Isso é pensar além da arte bonita; é ser profissional.

Identidade visual para campanha eleitoral requer planejamento

Numa campanha eleitoral, há lugar para o simples e para o sofisticado. Da mesma forma que tem espaço para o bonito e para o feio. O que determina qual caminho será mais eficaz é um bom planejamento.

Nesse caso, para traçar uma identidade visual que produza resultados satisfatórios, é importante conhecer a história do candidato, a cultura da cidade ou estado, o contexto em que estão vivendo, as opiniões políticas, os adversários e, principalmente, o público-alvo.

Essa é a grande diferença entre um trabalho profissional, feito com pesquisa, testes e planejamento, para um trabalho amador, feito apenas com achismos e paixões pessoais.

Para finalizar, compartilho um dos meus aprendizados com campanhas, que faz toda a diferença para quem trabalha na área: você pode até julgar uma identidade visual como bonita ou feia, mas não deve julgá-la ineficiente, se não conhece o contexto em que está sendo aplicada. Em campanhas eleitorais, cada estratégia é única.

Nataly Maier

Nataly Maier

Jornalista, pós-graduanda em Comunicação Governamental e Marketing Político pelo Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa (IDP), de Brasília. Possui experiência como analista de mídias sociais e assessora de imprensa em mandatos e campanhas nas esferas municipal e federal.

leia mais

Mais artigos do autor:

Leia mais

08 de dezembro de 2021

Nataly Maier

Saiba o que há por trás de uma identidade visual para campanha eleitoral capaz de gerar impacto nos eleitores.

banner-fincop-marcelo-vitorino-cupom Leia mais

19 de abril de 2022

Nataly Maier

Evento de marketing político reunirá mais de 20 palestrantes de 7 países para discutir as eleições de 2022. Garanta sua inscrição.

Artigos Relacionados:

conheça os melhores cursos de marketing político para candidatos Leia mais

20 de maio de 2022

Nataly Maier

Conheça os melhores cursos de marketing político para candidatos e prepare-se para os desafios eleitorais.

live-3-lados-impulsionamento-eleitoral-estratégia-marketing-politico-marcelo-vitorino-natalia-mendonça-gustavo-kanffer Leia mais

18 de fevereiro de 2022

Marcelo Vitorino

O impulsionamento eleitoral tem que ter 3 lados bem afiados e afinados entre si: técnico, jurídico e estratégico. Conheça-os!