Identidade visual para campanha eleitoral: o que você deve saber

Você já percebeu que, em ano eleitoral, os candidatos usam e abusam das cores em suas campanhas? Para que não lhe falte à memória, em 2018, vimos tanto verde e amarelo entre apoiadores do Bolsonaro quanto em torcida do Brasil em copa do mundo. Na disputa eleitoral que teve Haddad, o candidato petista, também não faltou vermelho e branco. Há quem goste do uso variado das cores, há quem não goste e ache feio e escandaloso. No entanto, do ponto de vista do marketing político, a identidade visual não é feita para ser bonita; seu principal objetivo é ajudar na construção de imagem e criar uma “identificação” entre apoiadores de um mesmo candidato ou de uma mesma ideia.

Identidade visual na campanha eleitoral é algo relativo

Na política, o mais bonito nem sempre é o eficaz. Um bom exemplo disso, na prática, é a campanha de Arthur Henrique, do MDB, para prefeito de Boa Vista, em 2020, pensada pelo estrategista Marcelo Vitorino. Uma campanha desenhada nas cores verde e roxo, à la buzz lightyear, com muito contraste e diagramação simples, mas que mobilizou a maioria do eleitorado para o voto nas urnas.

 

“A escolha da tipologia e da cartela de cores da campanha teve relação com a imagem que queríamos projetar e com os públicos alvo da comunicação. Boa Vista era uma cidade cinza, que com as últimas gestões, se tornou colorida. E essa alegria e contraste precisava estar em todas as peças.” (Marcelo Vitorino)

É claro que uma eleição não se deve apenas à identidade visual, mas, sim, ao contexto e a cada uma das estratégias adotadas na campanha. Ainda assim, depois da vitória com 85,36% dos votos, em Boa Vista, fica o questionamento: uma paleta de cores simétrica, a fonte mais bonita, uma tipologia limpa e o encaixe perfeito dos elementos é a única forma eficaz de trabalhar identidade visual em campanhas eleitorais? Em Boa Vista, não.

Isso revela que o mais importante, em qualquer campanha, é alinhar as estratégias às expectativas do eleitor. Uma estratégia de identidade visual feita com dados e conhecimento do contexto aponta para a importância máxima da conexão com o eleitorado e, não, para a opinião técnica do diretor de arte, da família do candidato ou de um amigo, cuja preferência é mais elitizada, por exemplo.

Já vi muitos candidatos com boas propostas e chances de eleição não vencerem porque a identidade visual era requintada demais e não dialogava com o eleitor simples. O contrário também ocorre.

 

Identidade visual em campanha eleitoral deve ser livre de preconceitos

Como já disse, identidade visual não é para criar uma arte bonitinha. Um bom estrategista precisa abandonar os preconceitos e não pensar que somente a sua opinião está correta.

Diferente do que muitos profissionais munidos de suas visões cheias de vaidades podem considerar, a identidade visual de Arthur, em Boa Vista, dá gosto de ver, pois reflete estratégia e dialoga com o seu eleitorado. Isso é pensar além da arte bonita; é ser profissional.

Identidade visual para campanha eleitoral requer planejamento

Numa campanha eleitoral, há lugar para o simples e para o sofisticado. Da mesma forma que tem espaço para o bonito e para o feio. O que determina qual caminho será mais eficaz é um bom planejamento.

Nesse caso, para traçar uma identidade visual que produza resultados satisfatórios, é importante conhecer a história do candidato, a cultura da cidade ou estado, o contexto em que estão vivendo, as opiniões políticas, os adversários e, principalmente, o público-alvo.

Essa é a grande diferença entre um trabalho profissional, feito com pesquisa, testes e planejamento, para um trabalho amador, feito apenas com achismos e paixões pessoais.

Para finalizar, compartilho um dos meus aprendizados com campanhas, que faz toda a diferença para quem trabalha na área: você pode até julgar uma identidade visual como bonita ou feia, mas não deve julgá-la ineficiente, se não conhece o contexto em que está sendo aplicada. Em campanhas eleitorais, cada estratégia é única.

Nataly Maier

Nataly Maier

Jornalista, pós-graduanda em Comunicação Governamental e Marketing Político pelo Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa (IDP), de Brasília. Possui experiência como analista de mídias sociais e assessora de imprensa em mandatos e campanhas nas esferas municipal e federal.

leia mais

Mais artigos do autor:

Leia mais

10 de janeiro de 2022

Nataly Maier

Chegou o ano eleitoral. Candidatos e profissionais de marketing político deverão ficar atentos ao calendário eleitoral aprovado pelo TSE. Confira as datas!

Evento Curso de Marketing Político Eleitoral 2022 Leia mais

24 de novembro de 2021

Nataly Maier

O maior evento de marketing político para campanhas eleitorais já tem data marcada. Faça sua inscrição e garanta uma vaga para o Imersão Eleições 2022.

Artigos Relacionados:

Fabiana Vitorino - Pré-candidatos podem impulsionar conteúdos em pré-campanha? Leia mais

15 de dezembro de 2021

Fabiana Sampaio

Candidatos precisam ter cuidado para não ter problemas com a legislação eleitoral ao fazer impulsionamento antes do período eleitoral

Tendências e bons usos do TikTok no marketing político Leia mais

09 de dezembro de 2021

Claudia Guimarães

Um artigo sobre tendências e bons usos do TikTok no marketing político, que vão além das famosas dancinhas e dublagens. Leia o artigo completo