“O futuro da comunicação política passa necessariamente pela transparência e objetividade na produção de conteúdo”

Com a democratização de acesso à internet e, principalmente às redes sociais, muitos especialistas assinalam a crise do jornalismo profissional, já que plataformas como o Twitter e Facebook permitiram a entrada de novos agentes de produção e distribuição de conteúdo. Essa característica do nosso tempo, também abriu portas para a produção e disseminação de notícias falsas. Nesse contexto o relacionamento com a imprensa por parte dos poderes executivo, legislativo e judiciário brasileiro torna-se, cada vez mais, uma atividade fundamental para a manutenção da esfera democrática e para a prestação de contas com a comunidade.

Essa é a ideia central que Felipe Cabral leva para o Seminário Comunicação Política 2019, realizado pela Presença Online, na próxima quinta-feira (28/02), em Brasília.

Profissional com mais de 10 anos de atuação em comunicação política, Felipe é jornalista e pós-graduado em Ciência Política pela Universidade de Brasília (UnB). Com  vasta experiência em assessoria de comunicação, assessoria parlamentar e relações institucionais no Poder Legislativo, conversou com o canal Marketing Político Hoje sobre sua palestra: Assessoria de Comunicação no Congresso Nacional

Qual a relevância do tema para os participantes do Seminário?

A palestra abordará a comunicação política com foco em assessoria de comunicação no âmbito do Congresso Nacional. O tema é relevante por se tratar de uma área específica no segmento de assessoria de imprensa e pela escassez de disciplinas acadêmicas focadas na temática.

Para você, qual o futuro da comunicação política e de governo?

O futuro da comunicação política e de governo passa necessariamente pela transparência e objetividade na produção de conteúdo. O cidadão, o eleitor, não aguenta mais ser “enganado”. A interação precisa ser cada vez mais legítima, sem pirotecnias. Se adequará melhor ao futuro quem conseguir fidelizar e estabelecer um vínculo real com seu público, independente de interlocutores externos.

E a internet? Na sua opinião, qual o papel desse meio na comunicação política e governamental?

A batalha da comunicação passa pelas redes sociais. O papel da internet continuará sendo fundamental, sobretudo após o pleito eleitoral de 2018. Não há como mencionar gestões comunicacionais exitosas que desconsideram o poder da Internet.

 

 

Felipe Cabral é jornalista e pós-graduado em Ciência Política pela Universidade de Brasília (UnB). Com mais de 10 anos de experiência, possui vasta experiência em Assessoria de Comunicação, Marketing Político Digital, Assessoria Parlamentar e Relações Institucionais no Poder Legislativo. Especialista em política e assessoramento no Congresso Nacional, com passagens por Gabinete Parlamentar, Comissões, órgãos da Mesa Diretora e Liderança Partidária.

 

Maíra Moraes

Maíra Moraes

Flipboard

Doutoranda em Comunicação e Sociedade na Universidade de Brasília (UnB), pesquisa as relações de poder implicadas no processo de produção de notícias e como as realidades são construídas por meio de narrativas e práticas dominantes. É gerente de projetos certificada PMP®, especializando-se na implementação de metodologias híbridas (presencial e a distância) de educação em redes públicas estaduais e municipais.

leia mais

Mais artigos do autor:

curso-e-gov de marcelo vitorino Leia mais

06 de dezembro de 2017

Maíra Moraes

E-gov: como posicionar governos e instituições na internet, com Marcelo Vitorino, é o curso mais completo sobre o tema, agora disponível on-line.

Foto do professor de marketing político Marcelo Vitorino Leia mais

10 de agosto de 2018

Maíra Moraes

“Coisas que todo profissional que quer trabalhar com marketing político digital” está disponível para compra nos formatos impresso e digital.

Artigos Relacionados:

Leia mais

22 de setembro de 2020

Natália Mateus Mendonça

Conteúdo: o que os eleitores querem e o que as campanhas entregam? Saiba mais sobre esse tema na Semana do Eleitor Conetado da Presença Online.

Leia mais

12 de maio de 2020

Alessandra Fedeski

Um político populista atua baseado em uma corrente política na qual um líder (teoricamente desprendido de partidos e instituições) representa o povo em uma suposta luta do nós (o povo) contra eles (uma elite poderosa).