Sobre redes sociais e influência na política

Não existe a chamada “nova política”, nem a “velha política”. Existe a política e seus agentes políticos.

Existem muitas definições para o termo “política”, cuja origem vem dos gregos, na época em que estavam organizados em cidades-estado. Para ficar fácil de entender, o Vaticano e Mônaco poderiam ser considerados dessa forma. Os gregos chamavam isso de “polis”, daí a origem do termo “política”, uma derivação do termo “politéia”, usado para se referir às cidades-estado que possuíam uma espécie de parlamento para cidadãos.

A política, ao contrário do que muitos pensam, só tem dois lados, que não são esquerda e direita, mas sim, dentro e fora.

De forma muito simplista, se você participa da vida da política está dentro. Se não se interessa, está fora.

Do lado de dentro, todos, sem exceção, fazem política. Todos os dias. Em todas as ações.

A política não é o lugar para quem enxerga o mundo binário, sim e não, mocinhos e vilões. A política é muito mais plural do que isso e é por isso que muita gente acaba virando massa de manobra ao insistir no modelo binário.

É desse jeito que surgem caçadores de marajás e similares. É reduzindo toda a pluralidade entre o bom e o mau.

Alguns políticos se aproveitam dessa ignorância para obter proveitos e terem destaque: “Se há um vilão, eu posso ser o herói. Se todos são sensatos e moderados, eu sou mais um entre tantos.”.

Parte da mídia colabora com essa banalização produzindo manchetes muitas vezes tendenciosas, quase publicitárias, que colocam suspeitos como culpados e inocentes em dúvida. Quando a suspeita é confirmada, mais reportagens são feitas. Quando a inocência é provada, muitas vezes nem uma notinha de rodapé.

Com isso criam-se narrativas invencíveis, que influenciam o cidadão a acreditar que existem vilões e mocinhos em vez de entender que, como em toda profissão, existem profissionais bons e ruins, de acordo com os valores de quem o analisa.

O risco da política baseada em redes sociais

O problema com tudo isso que escrevi é que essa falta de entendimento leva a consequências desastrosas quando colocamos o componente da rede social como estimulador de políticas públicas.

Se parlamentares forem pressionados para legislar com o Facebook na mão, com medo de retaliações em ambientes virtuais, deixaremos a democracia de lado e entraremos em uma era de escuridão intelectual, bastando que alguém grite “bruxa” para que a massa se revolte e queime uma anciã.

Em épocas de dificuldades, com desemprego em alta, falta de poder aquisitivo o e com alto índice de violência, o que podemos esperar que venha do chamado “volksgeist, o espírito do povo, a voz que emana da sociedade?

Esperar serenidade e sobriedade para que projetos de longo prazo sejam bem elaborados, chega a ser um tanto quanto pueril, inocente.

A maior probabilidade é sucumbir a necessidade de encontrar culpados pelo momento. A colheita foi ruim? Deve ser porque não sacrificamos uma virgem. Mas mês que vem votamos isso e resolvemos, tudo pelas redes, você nem precisa sair de casa.

Observe que nos rankings de políticos mais bem posicionados nas redes há componentes polêmicos em seus conteúdos. A matriz das ferramentas que determina o que será ou não exibido de forma gratuita, privilegia o discurso contraditório, a polêmica.

A cada comentário deixado, uma estrelinha no algoritmo que promove o conteúdo. Mesmo que o comentário tenha sido negativo. A ferramenta não entende isso. Entende que se as pessoas estão interagindo o conteúdo é bom.

Se caminharmos nessa lógica, o político que sobreviverá será aquele que transformará seu gabinete em um programa de televisão, como o do Ratinho, que é feito para entretenimento popular, em detrimento ao que deveria ser feito.

Ratinho está certo. Tem um programa e vive de fazer audiência. Mas isso não é política.

Política, caro leitor que se esforçou até aqui lendo meu longo texto, é a arte de conciliar divergentes em favor do bem comum, não a simplicidade de queimar alguém na fogueira porque a pessoa sabe usar uma planta para fazer chá.

Para não cair em armadilhas por conta do desconhecimento de ferramentas, algoritmos e pela falta de uma construção de comunicação sólida, é preciso atualização e aprendizado constante. O Guia do Marketing Político pode ser um grande aliado, afinal, nele você encontrará cursos que falam sobre ferramentas, construção de conteúdos e narrativas, gestão de crises e tudo o que você precisa para se reciclar. 

Veja como funciona a assinatura do Guia do Marketing Político:

Gostou deste conteúdo? Assine nossa newsletter e fique por dentro de novos artigos sobre Marketing Político ⬇⬇⬇

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor na ESPM e consultor de comunicação e marketing digital, reúne experiência no marketing corporativo, eleitoral, institucional e político. Costumo enviar conteúdos de comunicação e marketing político por WhatsApp. Caso queira receber, basta adicionar o meu número (61) 99815-6161 na sua lista de contatos e me mandar uma primeira mensagem com seu nome.

leia mais

Mais artigos do autor:

2020 profissionais de comunicação Leia mais

02 de janeiro de 2020

Marcelo Vitorino

Comunicação e marketing político: o que deve prestar atenção, o que deve evitar e como se preparar para trabalhar em uma campanha eleitoral em 2020.

Campanha política sem dinheiro de doações Leia mais

04 de julho de 2015

Marcelo Vitorino

O efeito dos escândalos na política brasileira envolvendo financiamento de campanha já repercutem em alternativas para 2016.

Artigos Relacionados:

Leia mais

17 de maio de 2021

Alessandra Fedeski

As particularidades do Twitter o colocam em uma posição de potencial fonte para profissionais do marketing político e mesmo para políticos já em mandato.

Usuário do Reddit realizaram mobilização política para valorizar ações da GameStop. Leia mais

05 de fevereiro de 2021

Avatar

Com o caso GameStop, o mercado financeiro experimentou a força da mobilização política, algo que políticos e partidos conhecem bem.