Para engajamento no Facebook, só pagando?

Nos tempos atuais, será que é possível conseguir bons resultados no Facebook apenas com alcance orgânico? Vamos ver se a qualidade do conteúdo que produzimos pode ser o suficiente para alcançar um bom número de pessoas e gerar engajamento.

É possível tornar o Facebook mais efetivo sem pagar?

O tempo em que o Facebook dava um bom rendimento de acordo com a qualidade do conteúdo que a gente publicava é passado. Se antes, produzimos conteúdos em vídeo e foto e fazíamos testes analisando se era melhor colocar o link ou o texto diretamente na timeline, essas estratégias já não dão resultado.

Já não funciona aquela fórmula ”produza um bom conteúdo que as pessoas vão realmente compartilhar e se engajar, dando likes e assim por diante”. Não sobrou muito espaço para o que fazer. Para você ter um bom rendimento, só pagando!

Mas você tem que saber pagar. Não adianta ir lá no botão e impulsionar ”aberto”, você tem que saber para qual público direcionar o conteúdo baseado em questões para educação, por exemplo. Para que direcionar o conteúdo para um público que não tenha afinidade com o tema? Não tem propagação.

Se você acertar no público e também o tipo de conteúdo a ser publicado, além do formato, o enjament pode acontecer, mas não organicamente, como chamávamos antes, mas pelo menos por impulso.  Num primeiro momento você paga, as pessoas acabam tomando conhecimento daquele conteúdo e compartilham.

Como posso impulsionar com sucesso os posts do meu candidato?

Para isso é necessário realizar alguns testes, por exemplo você tem um cliente deputado estadual ou federal. Você pode colocar uma emenda a partir de uma foto do local e todo texto de amarração na descrição da imagem. Como também pode fazer um vídeo em que o parlamentar fala da narrativa daquela emenda, da origem da ideia, como foi o processo, em que ministério foi para poder ter aquele recurso para determinada região.

E depois disso, pode fazer também uma publicação dentro do site do candidato, que tenha a história da emenda descrita, assim como a gente colocou numa imagem, que tem o vídeo que publicado e embedado. Assim, eu compartilho o link da publicação no Facebook e patrocino esse link.

Considero essa a melhor forma, ancorar um conteúdo à uma url que esteja dentro do seu site. Porque pelo menos você tem controle do tráfego, você sabe quem visitou seu site e com isso pode fazer um público personalizado para ter ações de remarketing.

Se você publicou e disseminou esse link adequadamente, você sabe qual o público que teve acesso ao link e, consequentemente, você consegue mandar mais conteúdos para aquele público, ao invés de sair atirando para todos os lados como a maioria das pessoas faz.

Se não sabe impulsionar, não tem resultado

Não adianta impulsionar conteúdos se você não souber para quem impulsionar nem a maneira certa de impulsionar.

Pode ser também que as pessoas tenham mais facilidade em assistir um vídeo, um motion graphics que ensina para as pessoas o que representa aquela ação. Você pode fazer um vídeo com desenho ou um commom craft, que são aqueles desenhos que vão se juntando na imagem e mostrando as etapas de um processo.

Se você faz esse tipo de vídeo mais educativo, pode ser também que ele tenha uma presença de rede muito maior do que simplesmente colocar uma frase ou um conteúdo jornalístico duro. Cabe lembrar que o Facebook em campanhas de marketing de mandato tem que ser atrelado à uma narrativa e não simplesmente à uma informação.

Lembre-se sempre que as pessoas não estão no Facebook para se informarem, elas estão por dois motivos: (1) entretenimento e (2) relacionamento.

Logo, quando você coloca uma informação pura, simples e dura, existe uma grande tendência daquele vídeo do gatinho fofo ser muito melhor do que qualquer informação que você tenha para comunicar.

 

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor na ESPM e consultor de comunicação e marketing digital, reúne experiência no marketing corporativo, eleitoral, institucional e político. Costumo enviar conteúdos de comunicação e marketing político por WhatsApp. Caso queira receber, basta adicionar o meu número (61) 99815-6161 na sua lista de contatos e me mandar uma primeira mensagem com seu nome.

leia mais

Mais artigos do autor:

Aplicativos de mobilização de militância Leia mais

17 de abril de 2018

Marcelo Vitorino

Está procurando um aplicativo de mobilização de militantes para as eleições em 2018? Saiba que essa missão pode não ser tão fácil. Veja as principais dicas sobre o que você deve priorizar ao contratar um aplicativo de mobilização de militantes para sua campa

Capa do e-book Do digital para as ruas Leia mais

20 de março de 2017

Marcelo Vitorino

O e-book "Do digital para as ruas" detalha como a campanha de Crivella usou a internet para dialogar com o eleitor, gerenciar crises e mobilizar militantes

Artigos Relacionados:

imagem de um homem como um megafone para representar a mobilização política Leia mais

14 de maio de 2019

Fabricio Moser

Para as eleições de 2020, políticos e partidos deverão estabelecer desde já estratégias claras de mobilização para formação de suas próprias militâncias.

Leia mais

13 de maio de 2019

Avatar

Conheça Mariah Sampaio, coordenadora do movimento Elas no Poder, idealizadora e participante do seminário Campanha de Mulher. Confira nosso bate-papo!