Internet e planejamento podem salvar campanhas em 2016

Os escândalos na política brasileira, envolvendo financiamento de campanha, já produziram efeito imediato, mesmo sem que uma pena fosse decretada: a torneira do dinheiro privado em campanhas irá pingar, e em alguns casos secar. Empresários não querem correr o risco de serem associados a investigações, mesmo que façam doações legais, pois temem os efeitos da exposição de suas empresas na mídia e o impacto negativo que isso terá em seus negócios.

O presidente da câmara, Eduardo Cunha, já prevendo esse cenário apocalíptico para o financiamento eleitoral, triplicou o fundo partidário, com a intenção de atenuar os impactos da estiagem privada. O problema é que essa medida não será suficiente, pois mesmo o fundo não tem como arcar com todos os investimentos. Com esse cenário surgem duas soluções prováveis: planejamento e uso de internet.

Alternativa para campanhas em 2016

Nos últimos anos, atuei em todo tipo de campanha política, de vereador a presidência da república, e invariavelmente, mesmo em campanhas com grandes ou modestos orçamentos, a falta de planejamento fez com que a internet sempre fosse mal aproveitada.

A legislação eleitoral proíbe que se faça campanha antes de 90 dias da eleição, porém não proíbe que se faça relacionamento e formação de grupos.

O candidato que quiser ter êxito em 2016, seja para o cargo de prefeito ou de vereador, precisará arregaçar as mangas desde já e planejar, mês a mês, até junho do ano que vem, todos os seus passos.

A internet deverá ser utilizada com mais profissionalismo, pois trata-se do melhor meio de comunicação com apoiadores e com a base. Ter um site ou uma página no Facebook pouco significa quando a meta buscada é o engajamento de eleitores.

Será preciso definir o foco de atuação, produzir conteúdo relevante, ir atrás do público e engajá-los de forma a obter votos e militância.

O fim de campanhas à moda antiga

A época da campanha com formiguinhas parece ter chegado ao fim. As campanhas precisarão voltar a ser feitas quase que no porta à porta, com a vantagem da internet facilitar o processo, mas mesmo assim não será uma tarefa fácil.

A presença digital de um político não costuma ser conduzida de forma profissional e essa pratica precisará ser revista. Geralmente quem produz e atualiza as redes são assessores que pouco conhecem de estratégia de comunicação para engajamento na web.

O caminho não será a substituição dos mesmos, pois já detém conhecimento político que os qualifica, mas será necessário passarem por um processo de aprendizado que faça com que o trabalho atinja melhores resultados.

Papel dos assessores em campanhas

A Câmara de Vereadores de Mogi percebeu isso no ano passado e contratou a Presença Online para dar treinamentos sobre pesquisa, planejamento, produção de conteúdo e monitoramento para web.

A melhoria no campo de conhecimento dos assessores é o início do trabalho. Provavelmente os canais digitais também deverão passar por ajustes e especialistas em campanhas digitais, que possam traçar estratégias para a equipe do candidato, terão sua presença antecipada.

Uma coisa é certa: não dá para deixar para 2016. Faltarão cadeiras na dança eleitoral e muita gente ficará em pé.

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor na ESPM e consultor de comunicação e marketing digital, reúne experiência no marketing corporativo, eleitoral, institucional e político. Costumo enviar conteúdos de comunicação e marketing político por WhatsApp. Caso queira receber, basta adicionar o meu número (61) 99815-6161 na sua lista de contatos e me mandar uma primeira mensagem com seu nome.

leia mais

Mais artigos do autor:

impulsionamento pré-campanha eleições 2020 marcelo vitorino Leia mais

12 de agosto de 2020

Marcelo Vitorino

O impulsionamento de conteúdos políticos na pré-campanha envolve riscos eleitorais e pode não ser uma boa estratégia para falar com eleitores. Saiba mais!

Aplicativos de mobilização de militância Leia mais

17 de abril de 2018

Marcelo Vitorino

Está procurando um aplicativo de mobilização de militantes para as eleições em 2018? Saiba que essa missão pode não ser tão fácil. Veja as principais dicas sobre o que você deve priorizar ao contratar um aplicativo de mobilização de militantes para sua campa

Artigos Relacionados:

políticas termos de privacidade whatsapp marketing político Leia mais

10 de janeiro de 2021

Avatar

Quer saber como a atualização dos termos de privacidade do WhatsApp podem influenciar em suas estratégias de comunicação política? Acesse!

imagem de ferramentas para representar as ferramentas digitais utilizadas em mandatos e instituições Leia mais

07 de janeiro de 2021

Avatar

Trabalha na comunicação de mandatos políticos e instituições? Conheça agora mesmo cinco ferramentas que podem ser uma mão na roda!