Impulsionamento de conteúdos durante a pré-campanha: por que eu não recomendo?

Durante as lives que promovo em meus canais, percebi a inquietação de muitos candidatos pela prática do impulsionamento de conteúdos ainda no período da pré-campanha e, diante disso, quero fazer algumas ponderações.

Afirmo sempre em aulas que o tempo é o principal ativo para uma candidatura. É o correto uso do tempo disponível que aumenta ou reduz a chance de vitória.

Campanhas eleitorais profissionais, organizadas, são feitas de forma a obter a simpatia dos eleitores, objetivando a participação durante o período eleitoral e o desejo de voto no dia da votação.

Trata-se de uma construção de narrativa, que ao apresentar conteúdos previamente pensados ajuda a formar juízo de valor no eleitorado. Como toda boa história a ser contada, campanhas eleitorais tem etapas, uma ordem cronológica dos fatos e das ações.

Entrar com ações de comunicação na hora errada pode significar o desperdício do esforço e o municiamento de adversários.

A importância das etapas da comunicação em campanha eleitorais

Qual é o momento agora? Falar de propostas? Apresentar número e partido? Falar que concorrerá? Nada disso.

Excluindo as limitações jurídicas, temos que levar em consideração a estratégia de comunicação.

Este é o momento que candidatos e profissionais têm para construir reputação, preparar os canais, organizar os conteúdos que serão divulgados durante o período eleitoral, estudar os públicos que serão ativados e, não menos importante, estudarem as ferramentas.

Impulsionar conteúdos agora seria o mesmo que convidar uma pessoa vegana para um churrasco bovino. Um esforço desnecessário e com poucos resultados para o momento.

Como o período eleitoral ainda não começou, o eleitorado não está pensando no assunto e, dado o momento que muitos se encontram, com a pandemia provocando estragos, ações promocionais de políticos podem ser mal interpretadas.

O eleitor médio costuma escolher o seu vereador na última semana e o candidato a prefeito na última quinzena.

Enfim, se um candidato não fez a lição de casa até agora, faz mais sentido esperar até o 27 de setembro para ações de impulsionamento, período em que as regras estão mais bem definidas.

Ao escolher impulsionar neste momento, candidatos ficam sem o interesse do eleitor e também com suas campanhas correndo risco de judicialização.

É proibido fazer o impulsionamento de conteúdos durante a pré-campanha?

A última decisão a respeito foi a de permitir o impulsionamento na pré-campanha, mas de forma restrita, sem pedido de votos e sem que o valor seja exagerado. Contudo, é preciso levar em conta que não há uma métrica para o “exagero”. Cada juiz é que, arbitrariamente, define.

Outro ponto que precisa de atenção se refere a produção do que será impulsionado, visto que o valor investido na produção das peças também será contabilizado e poderá ser qualificado como abuso de poder econômico.

Enquanto profissional de comunicação, alerto que os riscos de judicialização envolvidos e a pouca eficácia em ações de comunicação que visam impulsionamento neste momento, em detrimento de outras ações mais importantes, faz com que eu desaconselho a prática até o início do período eleitoral.

Dê uma olhada neste vídeo em que a professora Natália Mendonça também fala sobre impulsionamentos em pré-campanha:

O recado é este! Agora, aproveite o tempo de sol para repararem o telhado.

Sempre respondo questões como essas em meus cursos e conteúdos do Guia do Marketing Político e, recentemente, preparamos um compilado das perguntas mais frequentes sobre as eleições de 2020.

Confira a seleção de perguntas no Blog do Guia do Marketing Político!

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor na ESPM e consultor de comunicação e marketing digital, reúne experiência no marketing corporativo, eleitoral, institucional e político. Costumo enviar conteúdos de comunicação e marketing político por WhatsApp. Caso queira receber, basta adicionar o meu número (61) 99815-6161 na sua lista de contatos e me mandar uma primeira mensagem com seu nome.

leia mais

Mais artigos do autor:

Fãs Facebook Likes Leia mais

03 de setembro de 2014

Marcelo Vitorino

Campanhas Políticas não conseguem extrair o potencial que as redes sociais. No legislativo falta investimento, no executivo, entendimento e visão.

Foto do professor e consultor de marketing político Marcelo Vitorino com o texto: o que um analista de mídia social precisa saber Leia mais

29 de outubro de 2019

Marcelo Vitorino

Trabalha com política e ainda não entendeu direito o que faz um analista de social mídia para política? Preparei algumas dicas que podem ajudar. Confira!

Artigos Relacionados:

Leia mais

17 de setembro de 2020

Avatar

Para entender o interesse do eleitor sobre o candidato e a disposição para o voto em legenda, participe do evento gratuito realizado pela Presença Online.

Leia mais

16 de setembro de 2020

Avatar

Assista os especialistas da escola de marketing e comunicação política Presença Online, para entender o uso do Facebook e Instagram na campanha eleitoral.