O que você precisa saber sobre crowdfunding para as eleições 2020

Hoje, 15 de maio, começa o período em que os pré-candidatos podem arrecadar recursos para suas pretensas campanhas eleitorais. Essa arrecadação de doações se dá por intermédio de plataformas homologadas pelo Tribunal Superior Eleitoral, que ficam de posse de todos os recursos arrecadados até o momento em que o candidato, já legitimado, abra sua conta bancária, utilizando o CNPJ de sua campanha. Antes de começar sua campanha de crowdfunding veja algumas ponderações importantes devem ser levadas em consideração:

Plataformas de crowdfunding homologadas pelo TSE

A arrecadação de pessoas físicas pela internet só pode ser feita por meio de plataformas homologadas. Você pode consultar as plataformas de crowdfunding homologadas por este link.

Antes de escolher a empresa, pesquise bem todas as empresas desta lista. As taxas cobradas e as características das plataformas de arrecadação costumam variar bastante. Tenha em mente que o TSE não valida a idoneidade das empresas que oferecem estas plataformas, certifique-se de fazer uma busca detalhada e contrato para a prestação de serviço.

Impulsionar para arrecadar doações

O impulsionamento de publicações para arrecadação de doações é permitido, contudo, deve obedecer as regras eleitorais, observando que quem pagará o impulsionamento será o próprio candidato. A lei diz que o candidato não pode doar mais do que 10% de seus rendimentos brutos do ano anterior (declarados no imposto de renda), e nem mais do que 10% do teto eleitoral de sua campanha.

Estratégias para vaquinhas virtuais de candidatos

Vale estruturar a campanha de arrecadação por etapas. Pensando em crescimento constante de doadores e de valores doados.

Para ter mais engajamento dos doadores, seja muito claro no que pretende fazer com o dinheiro arrecadado.

Estipule metas de arrecadação com empregáveis. Por exemplo, com R$ 10 mil arrecadados faremos o site da campanha, com R$ 20 mil, além do site, será feito impulsionamento de publicações.

Antes de abrir um processo de doação, organize uma listagem com familiares, amigos, conhecidos e terceiros. Procure-os, explique o desafio e direcione-os para doações de forma segmentada, ao longo do tempo.

Campanha de arrecadação demanda publicidade, portanto, grave vídeos, faça publicações constantes, estimule doadores a pedir doações, comemore metas alcançadas. Crie um clima de gincana e inspiracional. Recomendo que estude storytelling e que planeje cada ato de comunicação.

Utilize todos os meios de comunicação, de forma adequada, respeitando as características de cada um. No YouTube, um vídeo mais longo, que explica bem o projeto. No Instagram, vídeos mais motivacionais nos stories. Cuidado para não aborrecer as pessoas no WhatsApp ou por e-mail.

Diferença entre crowdfunding e comercialização de produtos

No crowdfunding com finalidade eleitoral não pode ser oferecido recompensas com valor econômico para doadores. Isso quer dizer que o candidato não poderá oferecer, por exemplo, um jantar aos seus doadores.

A lei eleitoral até permite a comercialização de produtos, mas isso só vale para o período eleitoral.

Porque crowdfunding deve fazer parte da sua estratégia eleitoral

Para concluir, reveja o seu entendimento sobre crowdfunding. Não se trata apenas de uma ação de arrecadação, mas também de uma excelente oportunidade para colocar a pré-campanha na rua e de conquistar apoiadores.

Cada doador, mais do que dinheiro, passa a ser engajado na campanha. Uma pessoa que deve ser alimentada com bons conteúdos e incentivada a participar mais da campanha.

A época de pandemia influencia pouco na decisão de fazer uma doação, quando diante de um projeto muito bem explicado, com etapas, com metas e objetivos claros. Quem doa para uma campanha, geralmente o faz pela paixão e é isso que deve ser estimulado.

Se quiser saber mais, realizei uma transmissão ao vivo com Eron Pessoa, servidor no TSE, especializado na prestação de contas. Assista:

Como se preparar para a campanha em 2020

Se você chegou até aqui, acredito que está interessado(a) em fazer uma campanha eleitoral profissional e bem preparada, correto? O preparo para a próxima disputa começa na mudança do entendimento de como a comunicação funciona. Campanhas eleitorais são guerras de narrativas, que devem ser construídas o quanto antes para que sejam sólidas o suficiente para enfrentar o período eleitoral.

Como consultor, não consigo atender muitas campanhas ao mesmo tempo, então uma maneira que encontrei de passar a minha metodologia de trabalho e meu conhecimento estratégico foi criando cursos que pudessem ser acessados por qualquer pessoa interessada em realizar um trabalho de comunicação profissional em campanhas eleitorais.

Já produzi mais de 30 cursos sobre o tema e todos eles estão disponíveis dentro do Guia do Marketing Político, uma plataforma que funciona como a Netflix, você faz uma assinatura e tem acesso a todo meu catálogo de cursos enquanto mantiver sua assinatura ativa. No Guia do Marketing Político você vai encontrar cursos como:

  • Planejamento de campanhas municipais
  • Como fazer impulsionamento no Facebook e Instagram para campanhas eleitorais
  • Técnicas de transmissões ao vivo com candidatos
  • Estratégia de conteúdo para campanhas eleitorais
  • Organizando equipe de campanha
  • Legislação para comunicação
  • Entre muitos outros

Clique para conhecer os melhores cursos de marketing político e marketing eleitoral do Brasil

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor na ESPM e consultor de comunicação e marketing digital, reúne experiência no marketing corporativo, eleitoral, institucional e político. Costumo enviar conteúdos de comunicação e marketing político por WhatsApp. Caso queira receber, basta adicionar o meu número (61) 99815-6161 na sua lista de contatos e me mandar uma primeira mensagem com seu nome.

leia mais

Mais artigos do autor:

imagem de um livro com elementos desenhados para representar a narrativa na comunicação política Leia mais

15 de abril de 2019

Marcelo Vitorino

Conhecer e utilizar as técnicas de storytelling na comunicação política é o melhor caminho para se aproximar do eleitor e gerar empatia. Confira as dicas!

Marcelo Vitorino, a farsa do monitoramento Leia mais

05 de junho de 2018

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino fala sobre o uso do monitoramento em redes sociais nos tempos atuais. E qual é o modo ideal para se utilizar de ferramentas de monitoramento.

Artigos Relacionados:

Leia mais

16 de julho de 2020

Alfredo Freitas

A Lei garante a participação de todos na política, mas as mulheres continuam sendo minoria. O que muda com o fim das coligações proporcionais?

Como fiscalizar a distribuição dos 30% do Fundo Eleitoral para campanhas femininas? Leia mais

13 de julho de 2020

Tainã Gomes de Matos

Neste artigo, pretendo responder a pergunta: como fiscalizar a distribuição dos 30% do Fundo Eleitoral para campanhas femininas e sugerir ações propositivas