Como cobrar pelo meu trabalho de consultor em marketing político?

Quando comecei a trabalhar com marketing político há mais ou menos uns vinte anos, não fazia ideia de como calcular o valor da minha hora de trabalho ou de justificar o valor cobrado.

Acredito que profissionais liberais de todas as áreas esbarram no dilema de quanto deve cobrar e como nortear essa precificação.

O mercado do marketing político vem exigindo profissionais mais qualificados, profissionais estes que se deparam com esta mesma questão. Sempre recebo perguntas e questionamentos sobre o tema e Por isso, tentei parametrizar valores e cenários para ajudar os colegas que ainda encontram dificuldades neste sentido.

Entendendo seu lugar no mercado do marketing político

Primeiramente é preciso definir o seu nível profissional. Costumamos segmentar profissionais por tempo de experiência na área e classificá-los como: juniores , plenos e seniores. Seja honesto nesta avaliação , seus clientes cobrarão pelo serviço oferecido.

Leve em consideração o porte do cliente

O cenário também é um fator a se considerar no momento de definir o quanto cobrar. Além disso, é preciso saber se você atenderá a um gabinete, um mandatário ou a uma instituição. Tenha em mente que esta variável é importante. Não transforme este processo em uma receita de bolo.

Defina seu grau de comprometimento

Neste caso, comprometimento não tem relação com empenho e sim com o tempo que será dedicado a cada cliente. Você pode escolher trabalhar para apenas um cliente, oferecendo a ele uma consultoria plena ou pode fazer um contrato de determinadas horas por mês.

Além disso, o consultor pode trabalhar por projetos específicos ou na gestão de crises de forma pontual.

Não se esqueça dos impostos

Diferente de profissionais contratados e nomeados, você é único responsável pelos impostos que incidirão sobre as notas fiscais que for emitir. Não se esqueça de colocar isso em sua conta.

Defina seu rol de competências como consultor de marketing político

Muitas vezes os profissionais que alegam serem mal remunerados estão realizando funções que não lhe cabem e, por isso, questionam os valores recebidos.

O papel de um consultor é estratégico e intelectual, não deve ser misturado com as atribuições rotineiras da comunicação.

Existe uma fórmula?

De tanto receber perguntas neste sentido, tentei criar uma “fórmula”, traçar um caminho simplificado para os profissionais de marketing político encontrarem um ponto de partida na hora de definir o quanto cobrar por sua consultoria.

Expliquei tudo de uma forma bem direta neste vídeo e espero conseguir te ajudar:

Ficou mais fácil agora? Sempre tento gravar vídeos com as dúvidas que recebo com mais frequência , mas as vezes não sobra tempo na correria do dia-a-dia.

Se você ainda tem dúvidas sobre marketing político e que aprofundar seus conhecimentos, recomendo que conheça o Guia do Marketing Político. Nele você encontrará um módulo completo sobre o uso de WhatsApp na político, além de muitos outros conteúdos sobre marketing político. O Guia funciona como um clube de assinaturas ao estilo Netflix, em que você só paga durante o mês em que quiser utilizar, sem taxas e sem fidelidade. Entre para o grupo de assinantes!

Faça parte da minha lista de transmissão enviando seu nome para o número (61) 99815-6161 e não perca os novos conteúdos📲✅

 

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor na ESPM e consultor de comunicação e marketing digital, reúne experiência no marketing corporativo, eleitoral, institucional e político. Costumo enviar conteúdos de comunicação e marketing político por WhatsApp. Caso queira receber, basta adicionar o meu número (61) 99815-6161 na sua lista de contatos e me mandar uma primeira mensagem com seu nome.

leia mais

Mais artigos do autor:

dilma-bolada Leia mais

30 de julho de 2014

Marcelo Vitorino

Campanhas políticas tentam usar perfis famosos para influenciar eleitores, disfarçando uma estratégia de marketing digital.

Capa do e-book Do digital para as ruas Leia mais

20 de março de 2017

Marcelo Vitorino

O e-book "Do digital para as ruas" detalha como a campanha de Crivella usou a internet para dialogar com o eleitor, gerenciar crises e mobilizar militantes