Me conta desse fetichismo no seu plano de marketing político

Este artigo faz parte da série sobre teóricos das ciências sociais e como seus pensamentos e teorias podem contribuir para uma visão crítica e criativa do que anda acontecendo no mundo da prática da comunicação e do marketing político.

Para saber mais, dá uma lida no primeiro artigo sobre Emilie Durkheim, lá explico melhor os objetivos dessa série e a programação completa.

Hoje eu quero falar sobre fetichismo. Sim, fetichismo.

Mesmo a distância, percebo a mudança de expressão no seu rosto. Sei que há uma grande chance de você ter clicado neste texto pensando em:

 

 

Lamento decepcioná-lo(a). Não vou entrar nesse fetichismo freudiano.

Mas, o que trago hoje também é algo muito interessante, sedutor e sexy. 🧐

É sobre “uma relação social definida, estabelecida entre os homens” que “assume a forma fantasmagórica de uma relação entre coisas”.

Curtiu? Este texto é sobre o fetichismo em Karl Marx e sobre como você, mesmo se for um sócio do clube anti-marxista, faz parte dessa relação.

Agora pare!

Se você é da turma que já vai me chamar de  m̶a̶s̶o̶q̶u̶i̶s̶t̶a̶  marxista, sugiro que você vá direto para o item Críticas atuais, um pouquinho mais pra baixo…

Ali, você vai perceber que eu fui  c̶a̶r̶i̶n̶h̶o̶s̶a̶ ̶̶c̶a̶r̶i̶d̶o̶s̶a̶   legal e já deixei uma lista pronta, explicando didaticamente diversas orientações teóricas que consideram o pensamento de Marx u̶m̶ ̶p̶o̶r̶r̶e̶ algo a ser superado ou revisto.

Eu sei que você será uma pessoa bem aberta a aprender coisas novas ᕦ(ツ)ᕤ

Um trio para (re)começar: Emilie Durkheim, Karl Marx e Max Weber

Conhecidos como a tríade da sociologia clássica, já falamos de Émile Durkheim, agora vem Karl Marx (e logo aparece o Weber)

Quem

Karl Marx (1818-1883)

Por que ler Marx

Acima de tudo, para você não passar vergonha usando as expressões marxismo, socialismo e comunismo como sinônimos.

🤚 Grosso modo, segundo a teoria marxista, o socialismo é um caminho para se chegar ao comunismo, sendo esse último, um sistema de organização da sociedade que substituiria o capitalismo com o fim das classes sociais e do Estado.

Em 1516,  Thomas More já elaborava em seu livro “Utopia”, os pilares de uma sociedade baseada na propriedade comum (socialismo). O comunismo, por sua vez foi teorizado séculos depois por Karl Marx e Friedrich Engels, como a alternativa ao capitalismo. Aqui você encontra um quadro bem detalhado sobre os conceitos.

Os bem-estudados sobre o tema afirmam que nunca houve um país comunista de fato, muitos questionam até mesmo a existência de países socialistas.

Um outro motivo, bem simplista, para você ler Marx é a opinião de Delfim Netto, economista e político brasileiro que já passou pela Arena, (P)MDB e hoje no PP.

Segundo esse homem de direita conservador, é importante ler Marx  “Porque Marx não é moda. É eterno!” ¯\_(ツ)_/¯ 

Em outras palavras…

Leia antes de falar bobagem.

Quando sentar na cadeira do Marx

O contexto do pensamento de Marx é o da Revolução Industrial. (se você matou essa aula assista a esse vídeo rápido)

Esse pensador dedicou-se mais a compreender e interpretar as relações dentro do sistema capitalista do que efetivamente criar a proposta de uma sociedade comunista.

Antes de fazer uma crítica ao capitalismo (fundamental no conjunto de sua obra), buscou compreender o contexto (estrutura), os elementos desse contexto (superestrutura), criou e aprimorou conceitos que sustentassem sua teoria materialista histórica (classe social, luta de classes, mais-valia, alienação, força de trabalho, entre outros). Enfim, estruturou racionalmente sua proposta de ação.

Em resumo, se sentarmos na cadeira de Marx, entendemos que para propor algo novo é necessário conhecer (e bem) o que está vigente.

Então, quando um ser humano ou um grupo deles chegar com uma ideia genial e inovadora, que resolve os problemas do mundo (ou só o seu) pergunte quanto tempo levou a criação dessa solução,  qual a relação com o contexto sócio-econômico-cultural e quais os conceitos sustentam a proposta.

Afastar os beócios é um bônus quando se conhece Karl Marx.

 

Recomendação de leitura para o profissional de marketing político

Texto: O caráter fetichista da mercadoria e seu segredo

O que tem nesse texto?

“Fetichismo” é um conceito-chave para entender a obra de Marx como um todo. Esse seria o poder que as mercadorias têm no mundo capitalista de fazer com que as pessoas se movimentem em função de coisas.

É o culto do objeto pelo homem, produzido pelo próprio homem. De forma prática, é o modo como enxergamos uma mercadoria, um produto final, sem levarmos em consideração as relações metafísicas de produção envolvidas. Como se os objetos tivessem vida própria, como seu surgissem sozinhos, sem a intervenção humana.

E qual o segredo da mercadoria? O poder sobre as pessoas, uma inversão na ordem das coisas: nessa alienação seres humanos são comandados pelos objetos.

E você com isso?

De forma bem direta: fetichismo da mercadoria também é fetichismo da política. O que nos leva diretamente às ações de comunicação e marketing político, não acha?

Aqui, é importante registrar que entendo a expressão “candidato”,  “político”  e suas variações como qualquer produto ou serviço configurado por valores e ideias do arranjo social da cultura do consumo, ou melhor, bens de consumo que comunicam categorias culturais e valores; recursos sociais, materiais e simbólicos, mediados pelos mercados e consumidores. (essa posição teórica é apoiada em Mary Douglas, que vamos abordar em breve aqui na série. Para aprofundar essa leitura, tenho um artigo sobre o tema neste link)

O seu plano de ação de marketing político parte da lógica de produtificação/coisificação de um personagem. A escolha da roupa, da narrativa, das palavras a serem usadas com mais frequência, as expressões que devem ser evitadas a todo custo são processos que contribuem para a construção de um produto a ser “vendido” aos eleitores que resultam na fetichização desse objeto.

Aos da esquerda-marxista, lamento lançar luz para o fato de que a produção de vocês é parte da alienação de classes.

Aos anti-marxista, quero lembrá-los que a genialidade de Marx é tanta, que vocês, ainda que neguem, fazem uso de seus conceitos-chaves.

Críticas atuais

A lista pode não ter fim, então vou me concentrar em três abordagens.

Primeiramente, sobre o fetichismo que falei aqui, outros filósofos e sociólogos considerados neo-marxistas deram continuidade ao uso e aprimoramento do conceito.  Pensadores da Teoria Crítica da Escola de Frankfurt, como Max Horkheimer, Theodor Adorno e Walter Benjamin, avançaram com produções sobre o fetichismo na indústria cultural. Filósofos contemporâneos como Gilles Lipovetsky e Antonio Negri discorrem sobre o fetichismo e as relações de trabalho e produção atuais.

Em seguida, vale compreender algumas críticas sobre o sistema econômico. E por que não falar de Durkheim, que já passou por aqui?

Durkheim defendia o “solidarismo”, uma forma de republicanismo radical que, segundo seus criadores Alfred Fouille e Léon Bougeois, era uma alternativa intermediária ao marxismo revolucionário e o liberalismo de livre mercado.

A ideia do solidarismo era superar a luta de classes a partir de um novo sistema moral baseado na noção de dívida comum para a sociedade e, o Estado, o administrador. ¯\(°_o)/¯

Pra fechar, vale a pena conhecer as críticas de filósofxs como Foucault e Butler.

Do primeiro reconhecemos tentativas de construir uma teoria não-marxista, inclusive um movimento político de esquerda não-marxista. Os marxistas o criticam pela sua noção de sujeito foucaultiano: o homem é apenas uma figura do saber contemporâneo, objeto de poderes, ciências instituições. Isso dá um fim ao conceito classe e, consequentemente, à luta de classes.

Em um quadro teórico similar, Judith Butler, na construção de sua teoria queer entende que a opressão não está ligada ao capitalismo em si, nem à relação entre o capitalismo e o patriarcado, mas à própria construção cultural do “ser homem” ou “ser mulher”. Com isso, busca a desconstrução da noção de identidades. Aos marxistas, da mesma forma que Foucault, Butler enfraquece a noção de ação coletiva e movimentos sociais organizados a partir de identidades.

Adendo

– Maíra, os cinemas estão fechados, manda aí um filminho massa pra ocupar o tempo.

– Toma.

Quem é o próximo

 

Max Weber chega para fechar a tríade.

Junto com ele vou mostrar como o conceito de “tipo ideal”, elaborado por ele no século 19, continua presente em seu dia a dia profissional no mercado do marketing político.

Maíra Moraes

Maíra Moraes

Flipboard

Doutoranda em Comunicação e Sociedade na Universidade de Brasília (UnB), pesquisa as relações de poder implicadas no processo de produção de notícias e como as realidades são construídas por meio de narrativas e práticas dominantes. É gerente de projetos certificada PMP®, especializando-se na implementação de metodologias híbridas (presencial e a distância) de educação em redes públicas estaduais e municipais.

leia mais

Mais artigos do autor:

curso-on-line-marketing-politico Leia mais

07 de maio de 2018

Maíra Moraes

O Guia do Marketing Político é perfeito para quem precisa se atualizar e quer ter acesso aos conteúdos 24h por dia, 7 dias por semana. Saiba mais!

Leia mais

02 de setembro de 2020

Maíra Moraes

Para apoiar quem se prepara para os desafios do pleito, Marcelo Vitorino realiza evento ao vivo com diversos profissionais da área para as eleições.

Artigos Relacionados:

Leia mais

20 de abril de 2020

Maíra Moraes

Seja qual for seu espectro político-ideológico, saiba por que conhecer os conceitos de Karl Marx é importante para suas ações de comunicação política.

Durkheim na comunicação política Leia mais

18 de abril de 2020

Maíra Moraes

O conceito de laços sociais proposto por Durkheim tem muito a ver com seu projeto de comunicação política. Entenda como um pensador clássico pode te ajudar.