O que fazer quando algo dá errado na internet

Já afirmei que é preciso ter muito cuidado com o que publicamos na internet, pois uma vez algo nela, nunca mais fora dela. Mas, o que fazer quando algo dá errado?

Recentemente, em uma sorveteria de São Paulo, um casal se sentiu incomodado pela precisa de um outro casal que trocava carícias no mesmo ambiente e pediu ao gerente da loja que tomasse providências. O motivo do incômodo era a orientação sexual do segundo casal, pois tratava-se de um casal gay.

O segurança da loja foi argumentar com o casal para que ele parasse com a troca de carinhos, mas este se sentiu ofendido e se retirou da loja. Em seguida, um dos integrantes publicou um texto em seu perfil no Facebook relatando todo o ocorrido.

O relato tomou uma grande proporção e virou notícia nos principais veículos de comunicação. Os proprietários da loja agiram rápido e publicaram um pedido de desculpas, bastante emotivo, na página que a sorveteria mantém no Facebook.

A resposta da sorveteria tomou uma proporção ainda maior do que o relato do casal. Muita gente passou a saber da existência do estabelecimento por sua atitude.

Basicamente a declaração repudiou as atitudes dos funcionários, justificou que o segurança seria contratado de uma empresa terceirizada, que tomaria providências para que o problema nunca mais acontecesse e pediu desculpas ao casal ofendido.

Vi a iniciativa com bons olhos, mas com algumas ressalvas. Repudiar a atitude dos funcionários não é um indicativo de que o estabelecimento assume a responsabilidade por quem emprega. A justificativa que o segurança era funcionário de outra empresa também não ajuda nesse sentido.

O pedido de desculpas é o mínimo que poderia ser feito, porém, para o ofendido só isso não costuma bastar. Não há algo que possa reparar o dano que foi feito, mas quando a parte que pisou na bola mostra ação, colocando medidas para prevenção de futuros acontecimentos, o ofendido se sente melhor. Ele quer que o seu dissabor tenha servido para algo, quer dar ao seu problema um propósito.

Quanto a isso a loja pouco propôs. Poderia ter se posicionado melhor, propondo ações como, por exemplo, a elaboração de um manual de boas práticas para os funcionários e treinamentos regulares.

A afirmação mais perigosa que os sócios da sorveteria fizeram foi a promessa que o problema “nunca mais” voltaria a ocorrer. Se tem algo em gestão de crise que é uma máxima é: pessoas podem errar e não há um meio de proibir que isso aconteça. Podemos reduzir os riscos, mas eliminá-los é impossível.

Enfim, a resposta rápida em redes sociais salvou a sorveteria de ser execrada, mas se fosse mais bem elaborada teria tido um efeito muito mais positivo. É preciso ter a cabeça fria diante de problemas e, principalmente, não prometer o que não se pode cumprir.

Marcelo Vitorino, Momento Conectado para a Rádio Boa Nova

 

Leia também:

Marcelo Vitorino dá dicas para lidar com crises nas redes sociais

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor na ESPM e consultor de comunicação e marketing digital, reúne experiência no marketing corporativo, eleitoral, institucional e político. Costumo enviar conteúdos de comunicação e marketing político por WhatsApp. Caso queira receber, basta adicionar o meu número (61) 99815-6161 na sua lista de contatos e me mandar uma primeira mensagem com seu nome.

leia mais

Mais artigos do autor:

Aplicativos de mobilização de militância Leia mais

17 de abril de 2018

Marcelo Vitorino

Está procurando um aplicativo de mobilização de militantes para as eleições em 2018? Saiba que essa missão pode não ser tão fácil. Veja as principais dicas sobre o que você deve priorizar ao contratar um aplicativo de mobilização de militantes para sua campa

Como fazer crowdfunding nas eleições 2020 Leia mais

15 de maio de 2020

Marcelo Vitorino

Já está permitido realizar as "vaquinhas virtuais" de candidatos. Veja os principais pontos para aproveitar melhor o crowdfunding na sua campanha eleitoral.

Artigos Relacionados:

Leia mais

16 de julho de 2020

Alfredo Freitas

A Lei garante a participação de todos na política, mas as mulheres continuam sendo minoria. O que muda com o fim das coligações proporcionais?

Como fiscalizar a distribuição dos 30% do Fundo Eleitoral para campanhas femininas? Leia mais

13 de julho de 2020

Tainã Gomes de Matos

Neste artigo, pretendo responder a pergunta: como fiscalizar a distribuição dos 30% do Fundo Eleitoral para campanhas femininas e sugerir ações propositivas