A revolução da comunicação

No século dezoito, aconteceu uma das maiores movimentações políticas da história do mundo, a revolução francesa. O povo, estimulado pela burguesia, promoveu um levante contra o rei Luís XVI, por causa dos elevados gastos da corte e da crise econômica que a França enfrentava. A revolução levou dez anos para ter seu fim, dando início ao período napoleônico.

Em 2013 tivemos o primeiro indício de levante da massa contra o governo. Centenas de milhares de jovens foram às ruas para pedir passe livre estudantil. O “gigante” como fora chamado, havia acordado.

Diferentemente da revolução francesa, o tal gigante fora organizado com uma velocidade acima do comum e a internet teve papel fundamental nessa mobilização. Foi por meio das redes sociais que os grupos se organizaram, marcaram reuniões e definiram proposições.

Algo que levaria meses para acontecer, realizou-se em semanas. A vantagem de não precisar se locomover para receber as diretrizes foi fundamental. O manifestante recebia as notificações em seu celular, podendo estar em qualquer lugar, realizando qualquer atividade.

As manifestações de junho de 2013 passaram, mas a lição ficou. Daquele momento em diante as manifestações seriam fenômenos da comunicação.

Em 2015, também por passarmos por uma crise econômica que trouxe a inflação e o desemprego de volta para a mesa do brasileiro, aliado a investimentos do governo mal empregados e ao alto custo da máquina pública, assim como os franceses, os brasileiros resolveram se mobilizar.

A diferença para 2013 está na composição e nas demandas. A comunicação que antes fora feita pelos jovens estudantes, agora passou para as mãos de empresários, profissionais liberais e funcionários públicos. A revolta amadureceu, cresceu e está mais empenhada.

Por mais que os líderes dos movimentos de rua pensem diferente, o povo que está indo para a rua quer, assim como os franceses quiseram, a cabeça da presidente da república.

O ato do dia 15 de março levou cerca de dois milhões de brasileiros a saírem de suas casas, em um domingo em que poderiam estar descansando. Tudo novamente organizado utilizando apenas a web como meio principal.

Ainda na internet, prevendo possíveis confrontos, até guias de boas práticas foram distribuídos com o objetivo de prepara os presentes para atos de hostilidade.

Diante do sucesso de público, nova data foi marcada para o dia 12 de abril e tudo indica que haverão outras.

O que no século dezoito levou uma década, pode levar menos de um ano agora.

Marcelo Vitorino, momento conectado para a Rádio Boa Nova

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor na ESPM e consultor de comunicação e marketing digital, reúne experiência no marketing corporativo, eleitoral, institucional e político. Costumo enviar conteúdos de comunicação e marketing político por WhatsApp. Caso queira receber, basta adicionar o meu número (61) 99815-6161 na sua lista de contatos e me mandar uma primeira mensagem com seu nome.

leia mais

Mais artigos do autor:

foto de capa professor e consultor de marketing político marcelo vitorino como utilizar a internet em campanhas eleitorais - marketing politico - eleições 2022 Leia mais

08 de fevereiro de 2022

Marcelo Vitorino

Aprenda a utilizar a internet de forma correta e eficiente para impactar eleitores em campanhas eleitorais.

eleitor conectado Leia mais

02 de setembro de 2014

Marcelo Vitorino

Pesquisa revela o perfil dos eleitores conectados, o que querem encontrar nos canais dos candidatos e os critérios que usam para decidir o voto.

Artigos Relacionados:

banner-fincop-marcelo-vitorino-cupom Leia mais

19 de abril de 2022

Nataly Maier

Evento de marketing político reunirá mais de 20 palestrantes de 7 países para discutir as eleições de 2022. Garanta sua inscrição.

Capa do livro Os engenheiros do caos Leia mais

13 de abril de 2022

Mariana Bonjour

Os engenheiros do caos. Veja uma análise da obra que analisa a influência de fake news, teorias da conspiração e algoritmos na política.