Como lidar com as crises geradas por fatos do passado?

”Como proceder quando, durante a campanha, alguém resgata uma notícia veiculada, erroneamente, anos antes, que já teve direito de resposta determinado pela Justiça? Um bom exemplo é o caso do Ibsen Pinheiro*. A notícia foi publicada por uma revista semanal e acabou com a reputação e carreira dele. Anos depois a Justiça condenou a revista. Isso poder ser um crime eleitoral?”

Saiba mais sobre o caso do Ibsen

Aqui, nós temos um caso de difamação e existe um crime eleitoral acontecendo.

O que é difamação? Difamação é você pegar uma notícia e divulgar com o único objetivo de prejudicar o outro. Um caso recente, como exemplo, foi com Caetano Veloso. Quando ele começou a namorar a esposa, ela era menor de idade e isso foi trazido à tona recentemente, com que objetivo? Para prejudicar sua imagem.

Essa atitude é penalizada como crime contra a honra, que é o crime de difamação. Injúria é uma ofensa e calúnia uma mentira. No caso específico da pergunta, é um processo de difamação.

O que fazer em casos de crimes eleitorais?

A lei eleitoral está apta a tomar providência rápida. O problema é a quantidade de processos que chegam por meio da lei eleitoral. Então, o que você tem que fazer em um caso como esse? A via legal é a denúncia ao TRE sobre a divulgação dessa notícia sob o crime de difamação. Esse é o primeiro passo. Nesse momento, você tem que pedir para que se identifique a origem da publicação e também os IPs utilizados.

Afinal, pode ser que seu candidato esteja sendo vítima de uma ação de fake news ou uma ação de guerrilha virtual. Nesse caso, não é uma pessoa que está publicando um conteúdo contra seu candidato e sim um grupo que está sendo pago para fazer isso.

A legislação brasileira atual já coíbe aquele que contratar um grupo para prejudicar outro candidato. Quem realiza a ação está sujeito a uma pena e aquele que é contratado também. No caso, você tem prisão mais o pagamento de multa. Não é só prisão ou só pagamento de multa, são os dois!

Em resumo, qualquer um que for contratado, bem como aquele que contrata, estão sujeitos a essa nova legislação eleitoral que foi aprovada na última reforma política.

Sendo assim, você tem que denunciar. Mas, existe o tempo de denúncia e o tempo de ação. Na justiça comum, ela costuma ser medida em dias, na Justiça Eleitoral em horas. Na maior parte das penas, o juiz escreve ”decreto que no prazo de 24 horas ou 48 horas a publicação seja removida”.

Mas até aí, o estrago já foi feito, então, como é que você lida com isso?

Só tem um jeito e dá muito trabalho!

Como combater os boatos e ter uma boa gestão de
crise?

Só tem um jeito, e esse jeito é a mobilização dos militantes. Agora, para ter mobilização de militantes, você tem que ter militantes e para ter militantes é necessário um trabalho de formação, qualificação e organização dessa base.

Ninguém e nenhum partido vai dizer: ”olha! eu tenho aqui minha base de 80 mil filiados, do meu diretório estadual. Toma aqui a base para você”. Nenhum partido faz isso, até porque eles não tem essa base organizada

Então, o que você precisa fazer? Você tem que aproveitar o tempo da pré-campanha para agrupar as pessoas que têm afinidade com seu candidato e mantê-las, o tempo todo, sendo alimentadas por um conteúdo. Mas não fique chato, não! Não mande conteúdo todo dia, mande uma vez a cada 15 dias, o importantes é ter contato com esse militante.

Quando aparece uma notícia que pode gerar crise, quais são as ações? Antes de mais nada, fale com seu grupo de trabalho para explicar aquilo que não procede, porque dentro de seu grupo pode ter alguém que não conheça a história e acabe comprando gato por lebre.

Depois, informe imediatamente aos militantes, talvez na mesma velocidade que você informa à imprensa, porque os militantes se sentem muito intimidados quando veem uma notícia contrária do seu candidato. Eles não sabem como reagir e acabam perdendo o tom. Então, você já informa o militante e o que ele deve fazer a respeito.

Você tem que ser muito claro na hora de informar:

”Eu quero que você espalhe a verdade, e a verdade é essa
aqui”, ponto.

E como eu quero que você espalhe?

”Quero que você compartilhe essa notícia no seu Facebook”.

”Eu quero que você comente no site da notícia que foi publicada equivocadamente”.

”Eu quero que você espalhe tweetando com a hashtag #espalheaverdade”.

Com isso, você está num trabalho de contenção da crise e existe uma chance de você vencer essa batalha.

Se você não tomou cuidado e não montou a militância, existe também a possibilidade de sofrer uma grande derrota. Afinal, a mídia não vai te dar o mesmo espaço, principalmente em momento eleitoral.

Nesse período, a mídia raramente dá o espaço de defesa para um candidato, principalmente porque foi baseado em um fato passado e, às vezes, um caso gerado pela própria mídia.

Sendo assim, só sobrou o caminho trabalhoso da militância.

 

 

 

 

 

 

 

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor na ESPM e consultor de comunicação e marketing digital, Marcelo Vitorino reúne experiência no marketing corporativo, eleitoral, institucional e político

leia mais

Mais artigos do autor:

e-mail marketing Leia mais

12 de agosto de 2016

Marcelo Vitorino

Usar e-mail para se comunicar com eleitores e militantes é essencial para uma campanha política que pretende mobilizar pessoas. Aprenda como fazer.

Ebook 100 coisas que todo candidato deveria saber sobre campanha política na internet Leia mais

21 de março de 2014

Marcelo Vitorino

Entender como a internet funciona é o primeiro passo para uma grande campanha política digital. Nesse material você conhecerá conceitos, dicas e ferramentas

Artigos Relacionados:

ELEICOES_2018 Leia mais

28 de abril de 2018

Maíra Moraes

Conheça os destaques nas principais resoluções do Tribunal Superior Eleitoral que definem como serão as eleições 2018 em todo Brasil.

Leia mais

12 de abril de 2018

Marcelo Vitorino

Neste artigo, Marcelo Vitorino, especialista em marketing político digital, explica sua visão transmidiática das campanha políticas digitais.